O core da Inovação


Sempre que pensamos em inovar pensamos reconsiderar produtos, serviços ou processos.

A inovação representa uma ruptura quando reconsideramos o objeto/ideia.

PAUSA: sim, ruptura em bom português. Disruptura é um neologismo de gosto duvidoso, parte do business INOVAÇÃO, promovido por pessoas com inglês fluente e português…. BACK TO POST.

Em teoria é a gênese pura. A ambição é marcar o mercado com um avanço: o primeiro automóvel, primeiro telefone celular, o primeiro buscador. Porém, existe uma alternância entre a inovação do núcleo do objeto (o core , a reconsideração) e o contexto (a diversificação). 

Em geral, começamos a inovar pelo core para em seguida diversificar o contexto, o uso. E isto ocorre desta forma por encontrarmos 2 perfis de Inovador:

  • o que toma uma ideia/forma de usar para levá-los a horizontes inéditos
  • o que fica restrito ao uso original, mas potencializa algumas de suas performances além daquilo que pareceria imaginável.

Ambas as formas de inovar são igualmente fundamentais, todavia citando um post breve e feliz de Marc Tawill #mtwl

“Inovar não é apenas colocar uma mesa de ping-pong ou pufes coloridos na sala de reunião. Nem adotar termos tecnológicos para disfarçar velhos hábitos ou comportamentos. Inovar é fazer o cachorro miar”

Valmir Mondejar, 13/12/2017

Anúncios