Psicopatas dentro das empresas: são mais comuns do que se imagina


Mesmo quem defende uma origem 100% genética para a psicopatia, não descarta a importância do ambiente. A criação, nessa história, seria fundamental para determinar que tipo de psicopata um camarada com tendência vai ser.

“Fatores sociais e práticas familiares influenciam no modo como o problema será expresso no comportamento”, afirma Rigonatti. Por exemplo: psicopatas que cresceram sofrendo ou presenciando agressões teriam uma chance bem maior de usar sua “habilidade” psicopática para matar pessoas.”

É importante ressaltar que é quatro vezes mais comum encontrar psicopatas em ambientes corporativos do que na população em geral. O ambiente das grandes corporações é um cenário convidativo para o psicopata montar seu teatro – principalmente a partir dos anos 90, numa competitiva era de aquisições, fusões e falências em que, para sobreviver, organizações se tornaram menos burocráticas e controladoras e muito mais agressivas.

A autoconfiança, a força e a frieza que caracterizamos psicopatas fez a cabeça de muitos “caçadores de talentos” que buscam funcionários “pró-ativos” e dispostos a assumir riscos. Egocentrismo e insensibilidade tornaram-se repentinamente defeitos toleráveis na hora de buscar talentos necessários para sobreviver num mundo de negócios acelerado.

Mas, ao procurar pessoas com senso de liderança – isto é, que assumem metas, tomam decisões sem medo e obtêm dos outros o necessário para tais metas -, tornou-se fácil confundi-las com um pacote de coerção, dominação e manipulação ocultado por uma bela embalagem.

O que pode resultar da contratação de um psicopata? Dificilmente algo que preste. Para começo de conversa:

  1. Ele não tem espírito de equipe. Ele não irá pensar duas vezes para puxar o tapete para promover-se.
  2. Não tem o menor interesse pelo futuro da empresa. Para ele importa o aqui e agora, a satisfação rápida e intransferível.
  3. Não compartilha dos mesmos valores da companhia e seus colegas. Ele dita as regras do jeito dele.
  4. Regras sociais não lhe dizem nada, ele frequentemente comete erros ilegais, o que joga a reputação da empresa no buraco.
  5. Desvio de grana, assedio moral e sexual são corriqueiros.
  6. É altamente manipulador e utiliza a mentira como um de seus artifícios para conseguir o que deseja.
  7. Jamais dá crédito para trabalho de outra pessoa, a invés, irá assumir o credito por qualquer trabalho que o outro produzir.

O psicopata dentro da empresa irá sentir prazer em humilhá-lo na frente de colegas e chefe, irá culpá-lo por qualquer porcaria que ele mesmo fez.
Abusos de autoridade e falta de ética não são exclusividade de chefes psicopatas. A diferença é que, para o psicopata, esse é o padrão.

por, Elisangela Brito Nunes – Psicoterapeuta Cognitivo Comportamental / Coach e Consultora em RH – LinkedIn Pulse

Anúncios