Uma borrasca se aproxima no horizonte


Acho que é a condição do mar que determina a escolha do capitão do navio. Para mar calmo, capitão novo dá conta do recado, auxiliado pela tecnologia e pelos marujos dedicados. Para mar bravio, capitão experiente, que já navegou anos naquele tipo de barco, que já vivenciou várias tempestades e está vivo para falar delas, que cometeu erros e aprendeu com eles. Que não abandona o navio porque o céu ficou cinza e porque a coisa vai ficar feia.

A busca por melhores posições, no menor tempo possível, caracteriza os profissionais modernos. Estagiários, trainees estão sempre buscando maneiras de, no máximo em dois anos, tornar-se supervisores, gerentes, diretores. Para isso fazem cursos de pós-graduação logo que terminam a faculdade.

Não tenho certeza se conseguem desfrutar do conteúdo. Falando com um professor de um famoso curso de pós-graduação em administração de empresas, ele me confidenciou que gosta das turmas onde há presença de pessoas com mais de 40 anos. Porque há troca de experiências, a participação é garantida e as perguntas têm fundamento na vivência profissional.

Para esses jovens, no fim desses cursos, fica a sensação de que agora há embasamento, conteúdo, substância para acelerar a carreira e, por consequência, os salários. Cargos com nomenclatura pomposa ajudam muito. Principalmente para ilustrar o currículo que será enviado aos concorrentes.

elder mineÉ uma maneira clássica de acelerar o processo de subida. Não é privilégio nosso. Multinacionais enviam executivos ao Brasil, para obter resultados significativos em curtos períodos de tempo. Eles o fazem, mas nem sempre o resultado obtido ajuda a organização em médio e longo prazos. A agenda pessoal está na volta à matriz, de preferência numa posição de destaque. Não advogo contra. Nem a favor.

Acho que é a condição do mar que determina a escolha do capitão do navio. Para mar calmo, capitão novo dá conta do recado, auxiliado pela tecnologia e pelos marujos dedicados. Para mar bravio, capitão experiente, que já navegou anos naquele tipo de barco, que já vivenciou várias tempestades e está vivo para falar delas, que cometeu erros e aprendeu com eles. Que não abandona o navio porque o céu ficou cinza e porque a coisa vai ficar feia.

Aquele que, apesar de tudo, sabe o valor de quem o manteve na ativa, que é leal à causa e não perde o sono à noite em dilemas pessoais. Ele se realiza em fazer seu trabalho porque acredita que é este seu destino, é ali que ele pode ser pleno e útil à sua corporação.

E não é que os céus de nossa indústria estão começando a escurecer? Vem borrasca pela frente. Como está o plantel da sua empresa? Qual a idade média dos comandantes que ela dispõe? Calma, não se preocupe, existem muitos reservistas prontos para voltar a embarcar. Quer saber mais? Eles já acumularam patrimônio, já recebem aposentadoria e aceitarão voltar à ativa por um soldo justo.

E, por não ter rabo preso com o destino, porque já aceitam sua sorte, terão coragem de fazer o que precisa ser feito, honrando as cores da corporação e desafiando até seus superiores se for a coisa certa a fazer. Na contramão dos que aceleram sem entender direito todas as curvas da estrada vêm os que regularão o mercado, com sua bagagem de vida e com vontade de dar o melhor de si.

stock-vector-newsletter-template-subscription-form-vector-illustration-182797193Acho que a aviação tem o modelo que nossa indústria tanto procura. Faça o teste. Se for viajar para o exterior, fique atento à tripulação. O mais garboso é o copiloto. O comandante é o senhor em que o uniforme é um pouco mais folgado, o sapato é mais confortável, o que tem os cabelos brancos. Dividirão o voo. Um cheio de energia e vontade de aprender, sonhando em sentar no banco à esquerda.

O outro satisfeito por estar ali, contente em passar seu conhecimento adiante e pronto para fazer o que é certo, até por reflexo. Prefiro ver um piloto de cabelos brancos assumir o comando quando tenho de voar. Sei que não há 100% de garantia. Mas durmo tranquilo, porque qualquer que seja a situação, estou nas mãos do mais capacitado.

por, Ivan Witt – Steer Recursos Humanos 

Anúncios

3 comentários sobre “Uma borrasca se aproxima no horizonte

  1. Prezado Ivan, excelente texto. É fato que as empresas não valorizem os capitães de cabelos brancos, e estranho este comportamento, pois são eles que conhecem o barco e os tripulantes, sabem como fazer com que o clima da embarcação esteja sempre em alta, conseguem retirar dos tripulantes o que sabem e sua dedicação e quando vem a calmaria, sabem valorizar os que estiveram sob seu comando. Com a perda destes capitães, o barco perde a cultura e deixa de ter o conhecimento de suas fraquezas e virtudes, e quem mais perde substancialmente são os marujos, que poderiam extrair a sabedoria destes comandantes pois somente com experiencia vivida é que se aprende. Parabéns pois são raras as iniciativas e textos sobre este assunto.

  2. Parabéns Ivan. A borrasca já é uma realidade nos céus da nossa indústria e comércio, haja vista as últimas dispensas: 16.000 e 32.000 respectivamente, segundo levantamento do IBGE. É premente então, a convocação dos reservistas de cabelos brancos, com sua grande experiência a fim de redirecionar o rumo da nossa economia ora estagnada.

  3. Perfeito comentário. O único problema é que em se tratando de empresas nacionais, e algumas multinacionais estrangeiras, são raríssimas as que valorizam a experiência bem preparada. Eu tenho a felicidade de dizer que encontrei uma Empresa fantástica que valoriza a experiência, sem esquecer da juventude e principalmente a capacidade de inovação.

Os comentários estão desativados.