Pessoas e projetos: como conciliá-los?


Pessoas e Projetos têm naturezas distintas e divergentes. Enquanto para um a natureza é gregária, baseada em interações que se sublimam até para preservar a espécie com toda a carga sentimental e emocional que as relações humanas possuem, para outro o ambiente é frio, calculado, metrificado e estabelecido por um código racional, devidamente padronizado internacionalmente.

O ambiente de projetos não é lugar para a subjetividade humana, nem para a singularidade individual, ainda que a última moda nas organizações seja dar aos integrantes (humanos) do time a sensação de que sua criatividade é que colocará o Projeto no caminho do sucesso.

Estabelecida a dicotomia nos deparamos com outra realidade óbvia: Projetos são feitos por Pessoas para dar a departamentos e empresas mais objetividade, eficiência, lucratividade e até menor dependência das ações e decisões individuais. O problema é que são justamente as Pessoas que dão aos departamentos e às empresas suas características únicas e especiais, que farão com que um cliente ou consumidor, escolha uma determinada marca ao invés de outra.

Existem cinco práticas fundamentais para que se lide com Pessoas dentro do ambiente de Projetos:

1. Reconhecer a natureza subjetiva e singular das pessoas e aproveitar essa característica para ser diferente diante do cliente. A frase “Fritas acompanham seu pedido, senhor?” Não pode soar mais impessoal e distante. Pessoas podem fazer muito melhor!

2. Incentivar a expressão e a geração de ideias a partir do conhecimento prévio dos objetivos de médio e longo prazo da área. Conceitos como: “Você é pago para fazer, não para pensar” são um tumor dentro da organização e impedem que grandes revoluções comecem com a frase, “e se?”.

3. Incentivar a transparência e a honestidade eliminando-se a cultura do medo. Não seria muito melhor que a equipe trouxesse ideias baseadas no desejo do cliente e não na opinião de seus chefes?

4. Ampliar a autonomia e responsabilidade da equipe. Ao dar a cada integrante, voz e ao mesmo tempo responsabilidade sobre as próprias ideias o time é valorizado e gradativamente amplia seu espaço de atuação e de comprometimento, já que ele se sente parte da solução.

5. Praticar a comunicação assertiva, sem julgamentos prévios. À medida em que os líderes praticam assertividade, sem agressão ou julgamentos, a equipe se sente mais segura e um ambiente de confiança se estabelece entre os participantes de modo que novos desafios são encarados de maneira mais receptiva e lúdica, aumentando as chances de sucesso.

São cinco passos simples e servem para qualquer equipe, uni ou multidisciplinar, e que farão com que essa equipe nunca mais seja a mesma. Novos Projetos? Eles adorarão!

SUGESTÃO DE LEITURA: ELDER MINE – acelerando seu crescimento

contribuição de:  Victor Olzenski                          08/10/2013

Anúncios