A Etiqueta 2.0 das Entrevistas Virtuais


Percebendo que num dia normal de trabalho na Petra Group, a quantidade de vezes que nossos headhunters entrevistam por plataformas on-line ao invés de entrevistas tradicionalmente presenciais, ví que algo realmente tinha mudado.

Os paradigmas tecnológicos do mundo de Recrutamento de Executivos estão mudando muito rapidamente numa revolução silenciosa e sem alardes. Impulsionado pela ampla adoção da tecnologia on-line, do BI, da mídia social,  do CRM,  do cloud computing, de sistemas de performance, de testes, da avaliação de inteligência emocional,  e de tantas novas tecnologias todas on-line.

Em 2010 apenas 10% das entrevistas de emprego eram feitas por internet, hoje em dia este número subiu para 42% segundo a pesquisa realizada pela Aberdeen Group.

entrevista on lineMuitos profissionais de recrutamento já estão utilizando amplamente os sistemas de vídeo-presença. Com a massificação desta tecnologia, seus custos baixaram muito, assim como as redes de alta velocidade e os softwares de compressão de voz e imagem.

O que antes era assunto de geeks está permeando a sociedade e está se tornando “user friendly“ como um todo.

Os sistemas de vídeo-entrevistas estão evoluindo absurdamente e os candidatos a novos empregos precisam se preparar para esta nova adoção de um novo padrão e forma de se fazer entrevista.  Desde uma mineradora como a BHP até um grande varejista como o Wall Mart usam sistemas para entrevistar desde posições técnicas, gerenciais até de diretoria.

Primeiramente, um primeiro passo para o candidato: Como fazer um vídeo currículo atualizado e conciso. Uma apresentação sua por vídeo com suas principais características e até slides que não dure mais que cinco ou dez minutos.

Segundo ponto, a etiqueta virtual. Você está bem focado para uma entrevista através de sua câmera? Sua imagem está OK?  A qualidade de seu link está aceitável? Se só está bem vestido da cintura para cima, há algo que possa interromper sua entrevista? Seu mais novo currículo já está disponível para ser compartilhado? A Iluminação está OK? O cômodo que está, está bem arrumado? O nível de ruído vai atrapalhar?

Se nunca pensou nisto, pode começar a se preocupar, pois com  menos tempo, mais engarrafamentos, mais imediatismo e a competitividade acirrada entre as empresas. Estes  recursos vão ser usados cada vez mais, tornando menos burocráticas as etapas iniciais de recrutamento. E alguns destes fatores, a não ser que seja o melhor dos melhores,  podem atrapalhar sua escolha em um desempate.

Os custos de translado de um processo  de abrangência tradicional podem ser reduzidos de 35 mil reais para 10 mil reais, com a redução de passagens aéreas, translados e hotéis. Reduzimos pela metade, o tempo de criação de um short list, baixando de 14 para 7 dias em função da disponibilidade imediata dos candidatos.

Não há jeito, a adoção de novas tecnologias inclusive para uma simples entrevista, vieram para ficar. Pode ser que sua entrevista esteja sendo transmitida simultaneamente para outras pessoas em cidades e até continentes diferentes ao mesmo tempo, ou que seja entrevistado simultaneamente por quem vai tomar a decisão, economizando etapas e tempo. Por isso não encare entrevistas on-line de forma menos caprichada que uma entrevista física. Esta mesma entrevista pode ser gravada e enviada aos tomadores de decisão antes da próxima etapa.

Veremos em um futuro breve cada vez menos um Skype sendo usado e mais plataformas desenvolvidas especificamente para estas atividades, aplicativos on-line como o Hire Vue, Any Meeting, Async Interview e outros tantos entraram em cena para dar mais qualidade aos processos. Com isso sua possibilidade de obter maiores informações da vaga em questão, da empresa, do employer branding, e da agenda e feed-back de seu processo estão todos disponíveis na mesma plataforma.

Iremos realizar nossas futuras entrevistas tanto em um mecanismo móvel, quanto em seu computador de casa ou do “escritório”.

Portanto, da próxima vez que for convidade para uma entrevista on-line, leve a sério esta nova “etiqueta” tecnológica que está sendo criada.

Adriano Bravo, headhunter do segmento de Energia e Infra-estrutura e CEO da Petra Group. (29/04/2014)

Anúncios